O que é a pirâmide invertida?

Colocar as principais informações no tópico frasal (primeira frase do parágrafo) e em seguida responder as principais perguntas sobre o que,quem, como, onde, quando e por quê.

Você produz conteúdo para a Internet? Sabia que pode utilizar algumas técnicas de Jornalismo para aprimorar seu trabalho? Pois então, é por isso que este post é sobre a pirâmide invertida.

Segundo Felipe Pena, no livro Teoria do Jornalismo:

  • Em síntese, pode-se afirmar que o lead exerce uma série de funções no relato. Elas são as seguintes:

 

  1. Apontar a singularidade da história;

  2. Informar o que se sabe de mais novo sobre um acontecimento;

  3. Apresentar lugares e pessoas de importância para entendimento dos fatos;

  4. Oferecer o contexto em que ocorreu o evento;

  5. Provocar no leitor o desejo de ler o restante da matéria;

Parece simples, nem todo jornalista coloca isso em prática. Quantas matérias você já viu por aí que não esclarecem nada: “fulano disse”, “fulana não identificada”, etc.

Não precisa apenas analisar matéria. Basta pesquisar alguns posts de Páginas de Facebook, Twitter ou mesmo vídeos do Youtube. As pessoas ficam com dúvidas e comentam. Até se você colocar o lead completo corre o risco das pessoas perguntarem sobre o que já está escrito lá. Agora, imagina se você não coloca todas as informações?

Histórico

O lead e o uso da pirâmide invertida é uma clara influência dos EUA no Brasil. Foi implementado aqui na década de 50. O responsável foi Pompeu de Souza, no jornal Diário Carioca.

Pode salvar este post para quando for conferir o gabarito do seu próximo concurso na área de Comunicação!

Gostou? Aguarde as próximas dicas do Blog Social Media.

Conheça a Escola de Redes Sociais. Cursos online e presenciais.  Pagamento no Débito, Crédito até 18x ou Boleto. Vamos estudar?

 

Como criar conteúdo para o Stories?

Informação é toda novidade dentro de um sistema. E qual é a novidade dos Stories? É a vida do outro, o que está fazendo e a suposta felicidade do cotidiano. O mundo dos Stories começou com o Snapchat em outubro de 2013. Desde então, uma novidade dura no máximo 10 segundos.

Vamos trazer a Teoria da Informação para esta análise. Aquilo a que nos referimos como sistema é um conjunto organizado de elementos diferentes agrupados por uma unidade de funções.

No livro “Teoria da Comunicação”, de Luís Mauro Sá Martino, é citado como exemplo uma sala de aula com alunos e o professor. No cotidiano não haveria nenhuma informação. Todos os alunos são os mesmos, o professor e o ambiente também. Mas se chega um aluno novo, é informação, é novidade! Se chega um aluno com cabelo de uma cor nova, é informação, é novidade!

“A repetição de um dado diminui a taxa de informação na medida em que diminui a novidade”

Viu como a Teoria não está tão distante da realidade. Vamos raciocinar!

O Storie é um formato “novo” de conteúdo. Pois, não é tão novo, já que começou em 2013. É uma nova adaptação da realidade que antes era divulgada por meio de scrap no Orkut, de post no Blog, no Twitter, no mural do Facebook.

Antes de discutia a adaptação das obras de um livro para o cinema ou televisão. Agora, é como fazer isso de um post no mural do Facebook para transformar em Stories interessante para o público.

Quer saber como criar conteúdo para Stories? Vem estudar conosco!

Conheça a Escola de Redes Sociais. Cursos online e presenciais.  Pagamento no Débito, Crédito até 18x ou Boleto. Vamos estudar?

Como fazer entrevistas no canal do Youtube?

Você já percebeu como alguns youtubers têm “estilo Faustão”? Fazem convite para collab, mas não sabem conduzir a entrevista. Se esse é o seu caso, não sofra. Se não for, é uma boa oportunidade para aprender como fazer entrevistas.

Compartilho aqui algumas orientações do tradicional Nilson Lage e seu livro “A reportagem: teoria e técnica de entrevista e pesquisa jornalística”. Ele recomenda, entre outras coisas, que se faça anotações com palavras-chave.  Para que? Para não se perder no meio de tantos assuntos. Além disso, veja estas outras dicas:

“O repórter faz antes uma pesquisa e tem, portanto, ideia do que vai perguntar. No entanto, é engano imaginar que a preparação prévia de um questionário viabiliza uma boa entrevista: ela depende muito da maneira como é conduzida. Uma das chaves é saber perguntar sobre a resposta (…) Outra chave é manter o comando da conversa, impedindo que ela se desvie do tema, seja por digressões do entrevistado, seja pela discussão da validade ou oportunidade da entrevista. A melhor estratégia, quando isso acontece, é apresentar uma nova pergunta, mudando de assunto, para retornar posteriormente ao ponto problemático”

O ambiente do Youtube é totalmente diferente. O estilo também. A abordagem não deve ser a mesma utiliza nos veículos tradicionais (TV, rádio ou impressos). Entretanto, técnica de entrevista é a mesma!

Se você lidera a conversa e sabe o que perguntar e como perguntar, com certeza será algo que vai despertar o interesse de quem está assistindo. Nilson Lage já destacava em seu livro:

“Há dois aspectos numa entrevista que devem ser considerados. O primeiro é certamente o conteúdo; o segundo, a personalidade (simpática ou antipática) do entrevistado”

Com base nestas dicas,  você (criador de conteúdo) já vai poder mudar muita coisa no seu canal do Youtube. Em breve vamos compartilhar mais dicas para outros segmentos. Bons estudos e bom trabalho!

Conheça a Escola de Redes Sociais. Cursos online e presenciais.  Pagamento no Débito, Crédito até 18x ou Boleto. Vamos estudar?

Linguagem, pensamento e realidade

Tudo aquilo que conhecemos já está “rotulado”. Temos escola desde o início da vida justamente para aprender o que é cada coisa. Nas cartilhas do jardim da infância é comer ter figuras e assim o (a) professor (a) vai explicando o que cada uma.

Então, a palavra e o seu significado praticamente se tornam uma coisa só. Aqui vou compartilhar um pedaço desse “universo” que é o estado da linguagem. É o estudo dos pesquisadores britânicos Charles B. Ogden e I.A. Richards (de 1923). Se você é da área de Comunicação e estuda para concursos, com certeza encontrou algo sobre nos livros de Teoria da Comunicação. Eles chegaram à conclusão de que a LINGUAGEM é a responsável por organizar essa realidade com o que aprendemos.

Segundo trecho do livro “Teoria da Comunicação” do Modelo de Ogden e Richards:

“No livro ‘O significado de significado’, autores partem de uma questão óbvia: quando conversamos, as palavras criam significados em nossa mente. Esses significados ligam a linguagem e o pensamento em uma relação de causa e efeito: quando dizemos uma frase, nosso pensamento causa uma série de expressões linguísticas; ao ouvirmos o que é dito, essas palavras produzem em nossa mente um significado.

O ponto de partida é que não existe nenhuma ligação necessária entre uma palavra e o seu significado. No entanto, na vida cotidiana, essa ligação parece óbvia: as expressões estão indelevelmente ligadas ao seu significado, e portanto não há como pensar em uma palavra  sem pensar no conceito definido por ela”

Vamos estudar?

_____________________________________________________________________________

Conheça a Escola de Redes Sociais. Cursos online e presenciais.  Pagamento no Débito, Crédito até 18x ou Boleto. Vamos estudar?

O que são cyberpunks?

Um mundo hipotético onde poderíamos nos conectar diretamente a um sistema (via computador) e com isso viver outra realidade. Hipotético? Not.

“O termo cyberpunk ganhou força nos anos 1980 para designar uma série de romances escritos por autores como William Gibson, em particular por conta de seu Neuromancer, onde descreve uma sociedade do futuro no qual seres humanos podem se conectar diretamente a computadores e, com isso, entrar em um mundo virtual. A literatura cyberpunk atingiu um dos maiores graus de divulgação com a trilogia Matrix”

Alguns exemplos de como isso já acontece:

Nunca a literatura/dramaturgia esteve tão perto da realidade!


Conheça a Escola que leva o nome do Livro “Redes Sociais – Estratégias de Monitoramento” (Editora Nova Terra, RJ). Cursos online e presenciais.  Pagamento no Débito, Crédito até 18x ou Boleto. Vamos estudar?

O emprego da cor na Ilustração

Vamos estudar como as cores podem contribuir ou não com uma boa criação publicitária?

Estas são as finalidades da cor na Publicidade:

  • Chamar a atenção
  • Dar mais realismo aos objetos e cenas
  • Estimular a ação
  • Embelezar a peça e torná-la mais atrativa
  • Formar atmosfera adequada

A realidade do mercado é que em muitos casos é difícil ter uma equipe completa de criação ou pelo menos uma dupla (redator e diretor de arte). Então, se você vai trabalhar com produção de conteúdo para redes sociais, é bom favoritar este post.

“Segundo Hepner, existem diferentes associações de ideias ou estados de espírito provocados pelas cores:

Vermelho – lembra fogo, calor, excitação;

Rosa- suavidade, frescor;

Laranja – calor, ação, força;

Marrom – riqueza, solidez, luxúria;

Amarelo – claridade, esportividade, desenvoltura;

Azul-marinho – frio, formalismo;

Azul-claro – frescor, fragilidade;

Verde-escuro – doença, menor valor;

Verde-claro – frescor, inovação;

Púrpura – realeza, imponência;

Cinza – maciez, docilidade;

Branco – pureza, limpeza;

Preto – força, mistério, suspense”;

As informações desta publicação tiveram como fonte o Livro “Propaganda – teoria, técnica e prática”, de Armando Sant’Anna, Ismael Rocha Junior e Luiz Fernando Dabul Garcia.

Gostaram? Em breve vou divulgar mais dicas =)


Conheça a Escola que leva o nome do Livro “Redes Sociais – Estratégias de Monitoramento” (Editora Nova Terra, RJ). Cursos online e presenciais.  Pagamento no Débito, Crédito até 18x ou Boleto. Vamos estudar?

O que é o Jornalismo transmidiático?

O Jornalismo sempre tão subversivo ainda se assusta com as novas tecnologias. Você sabia? As redes sociais pautam as mídias tradicionais. Especificamente, as pessoas comuns pautam a mídia tradicional. Pessoas comum que ganharam seguidores nas redes e com isso têm influência.

Pollyana Ferrari tem um capítulo só sobre isso no seu livro “Jornalismo Digital”. Agora, vou compartilhar alguns trechos aqui para ressaltar essa reflexão:

“Jornalismo digital pressupõe curiosidade, senso aguçado de ética, mestiçagem, humor, um escutar, mais do que falar, um compartilhar visceral, orgânico. Esqueça as fórmulas funcionalistas, as pesquisas sobre target, público alvo, lead, perfil social dos leitores, marketing, comunicação interna…”

“Não adianta ter um portal funcionalista e daí criar um perfil da editoria no Facebook, ou achar que domina o mundo das redes sociais porque publica automaticamente todos os links da home page no Twitter. Isso é dar um tiro no pé”.

Este último parágrafo parece que é de uma realidade de 2009, mas até hoje ainda há profissionais da Comunicação que usam os canais do jornal para replicar o que tem no site. Não há adaptação para as outras redes.

Assim como um dia foi necessário aprender datilografia, softwares de diagramação para produção de um jornal, hoje é necessário aprender como funcionam as Redes Sociais. Cada uma tem uma dimensão recomendada para divulgar materiais (foto, vídeo, texto). É preciso estudar e aplicar!


Conheça a Escola que leva o nome do Livro “Redes Sociais – Estratégias de Monitoramento” (Editora Nova Terra, RJ). Cursos online e presenciais.  Pagamento no Débito, Crédito até 18x ou Boleto. Vamos estudar?

Dúvidas? Envie para escola@anaceliacosta.com