“Comunicação de massa, gosto popular e ação social organizada”

Bem antes das atuais “Redes Sociais” (aqui se pode ler Facebook, Twitter, Youtube) já havia uma pesquisa que analisava os efeitos da Comunicação. Robert Merton e Paul Lazarsfeld – em 1948 – fizeram boas considerações acerca do poder da mídia. Vou citá-las aqui e depois você me diga se não estão bem atuais.

Esses pesquisadores eram preocupados com “uma substituição de uma cultura autêntica por uma cultura-padrão criada e divulgada pela mídia”.

a) Função de conferir e garantir status

Merton e Lazarsfeld acreditam que a mídia tem a função de definir o que é importante dentro da sociedade, relegando o resto ao esquecimento.

Além da credibilidade que a TV tem para algumas pessoas, também acontece o mesmo com o perfil de veículos tradicionais nas redes sociais. Exemplo: o que foi publicado em Blog desconhecido não tem o mesmo peso do que o foi publicado no Facebook da Folha de São Paulo.

b) Função de reforço das normas sociais

Sugerem que a mídia reforça os padrões de comportamento tidos como certos dentro de uma sociedade na medida em que transforma esse padrão em referência, visto por milhões de pessoas, e, portanto, ganhando status de verdade dentro do mundo social.

As normas de conduta e seus supostos julgamentos estão nas redes sociais o tempo todo. Há críticas e elogios conforme o que o próximo faz. Uma imagem pode ser acusada de favorecer os desmerecer um grupo e assim surgir uma crise.

c) Disfunção narcotizante

A mídia poderia atuar como uma espécie de droga para deixar a sociedade menos atenta ao que se passa ao redor e, dessa maneira, forçar situações ou impor uma opinião.

Essa anestesia pode ser sentida tanto porque assiste TV aberta por muitas horas quanto quem assiste seriados na Netflix.

Em 1948 – quando seus avós ainda eram jovens – já existiam pesquisas sobre os efeitos da mídia. Hoje não podemos adaptar esse conceito porque independente do canal a mídia continua tendo seu poder. Ou não? Qual a diferença entre quem é viciado na Globo e quem é viciado na Netflix?

 

P.S: Algumas informações deste post foram retiradas do livro “Teoria da Comunicação”, de Luís Mauro Sá Martino. 

Conheça o Livro “Redes Sociais – Estratégias de Monitoramento” (Editora Nova Terra, RJ) e adquira conhecimento sobre análise de dados de redes sociais. Pagamento no débito, crédito ou boleto. Dúvidas? Envie um comentário! 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s